Capa » Relatórios » Brasil tem uma das maiores taxas de repetência do planeta, diz Unesco

Brasil tem uma das maiores taxas de repetência do planeta, diz Unesco

Levantamento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) mostra que apenas 53,8% das crianças brasileiras matriculadas na escola conseguem terminar a 8ªsérie (ou 9º ano). O Relatório de Monitoramento de Educação para Todos (PDF), divulgado na quarta-feira (30/04), com dados referentes a 2005, indica que a situação piorou em relação a 1999, quando 61,1% dos jovens concluíam o nível fundamental. O problema é provocado pelos altos índices de repetência e evasão. Na 1ª série do ensino fundamental, informa o documento, 27,3% das crianças brasileiras foram reprovadas. Na faixa dos 15 ao 17 anos, embora 82% estejam na escola, apenas 46,9% freqüentam a série correta. “A repetência só é maior nos países africanos” disse o representante da Unesco no Brasil, Vincent Defourny.

Metas – Com uma das maiores taxas de repetência do planeta, o Brasil corre o risco de não atingir pelo menos três dos seis objetivos do compromisso Educação para Todos, estabelecido mundialmente em 2000, com metas até 2015. Entre elas, a oferta de ensino de qualidade e a redução pela metade do analfabetismo de jovens e adultos. No ranking dos 129 países avaliados pela Unesco, o Brasil encontra-se na 76ª posição quanto à possibilidade de cumprimento de todas as metas, perdendo para Argentina (27ª), Chile (37ª), Venezuela (64ª) e Peru (65ª). Apesar dos dados estatísticos pouco favoráveis, o relatório da Unesco é otimista, uma vez que ressalta a sintonia das políticas públicas educacionais, principalmente do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). “Para um novo quadro na educação brasileira, é necessário monitorar o que está sendo feito pelos estados e municípios para assegurar melhores desempenhos”, diz assessor especial da Unesco Célio da Cunha.

Editoriais – A pesquisa gerou debates em alguns veículos. Para o jornal Zero Hora, os problemas que afetam a educação só acabarão quando o conhecimento básico estiver universalizado. “No momento em que o Brasil comemora resultados econômicos auspiciosos, os estrategistas de nosso país, no governo e fora dele, não podem ignorar a necessidade de planejamento e de recursos prioritários para inverter a paisagem do ensino”, diz. Já o jornal O Globo defende que mais que aumento de salário, o que é preciso, na maioria dos casos, é melhorar a motivação das escolas e dos professores. “A nossa república pedagógica ainda depende excessivamente de pequenas injunções locais, de indicações políticas. Não é de estranhar que a performance piore, em vez de melhorar”, diz.

[O Globo (RJ), Demétrio Weber; O Estado de São Paulo (SP), Alexandre
Gonçalves; Correio Braziliense (DF), Paloma Oliveto; Correio do Povo
(RS); Diário Catarinense (SC); O Globo (RJ); Zero Hora (RS); Diário
Catarinense (RS); O Tempo (MG); Estado de Minas (MG); Diário do
Nordeste (CE); Gazeta do Povo (PR); Diário do Amapá (AP); Amazonas em
Tempo (AM) – 01,02,03,04 e 05/05/2008]

Fonte: www.andi.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*