Capa » Relatórios » 50% dos jovens vivem na pobreza

50% dos jovens vivem na pobreza

A pesquisa “Síntese dos Indicadores Sociais”, realizada no ano passado e divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no início de outubro, revela que quase 45% das crianças e adolescentes de até 17 anos estão vivendo em condições de pobreza ou miséria no Brasil. O percentual equivale a 11 milhões de cidadãos.

Para realizar a pesquisa o IBGE se baseia no salário mínimo vigente. No ano passado, o valor era de R$ 415. O estudo considera que um pobre tem rendimento domiciliar mensal de até meio salário mínimo por pessoa, enquanto o extremo pobre tem renda per capita de até um quarto deste valor.

De acordo com o Pesquisador da Diretoria de Estudos Sociais do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), Sergei Soares, as crianças são as mais afetadas pela pobreza. “As crianças que são realmente pobres”, afirma.

Ele justifica sua afirmativa dizendo que essas crianças têm pais jovens e que não conseguiram obter crianca_boneca-216_2658-crianca-ogloboainda estabilidade econômica. Ele informa que a pobreza no país tem um perfil específico. Segundo o pesquisador, os idosos constituem a minoria da população pobre.

Em comparação à mesma pesquisa realizada em 1998, houve redução no nível da pobreza entre adolescentes até 17 anos. Na época, o estudo mostrou que 27,3% dessa faixa etária viviam em condições de extrema pobreza. Atualmente, esse percentual reduziu para 18,5%.

Na região Nordeste do País, embora a situação ainda seja preocupante, os índices apresentam melhoras. Há onze anos, a pobreza atingia 73,1% dos jovens nordestinos. Hoje, a taxa caiu para 66,7%. A região Sudeste apresenta menos da metade do índice nordestino, com 31,5% dos jovens vivendo nestas condições.

A melhora no Nordeste é atribuída aos programas sociais do Governo Federal, sobretudo o Bolsa Família. Para Sergei, a situação está melhorando rapidamente. “Quanto mais pobre a pessoa, mais importante o programa social”, declara.

Além deste benefício, o pesquisador destaca que o salário mínimo e o crescimento econômico são também importantes na redução da pobreza. Segundo ele, é necessário que o Bolsa Família se torne um direito do cidadão, assim como é a aposentadoria.

Entretanto, Sergei considera que as pessoas que vivem em situação extremamente pobre não estão nestas condições por acaso. Ele diz que a falta de oportunidade numa cidade, por exemplo, a falta de capital humano e a falta de capital social, contribuem para isso.

Ainda de acordo com o IBGE, o índice de jovens d até 24 anos que têm ensino médio completo é de 36,8%. O dado revela que dobrou o número de jovens que concluíram essa faixa de escolaridade, já que em 1998 a taxa era de 18,1%.

Outro fator que chama a atenção são as desigualdades regionais. A região Sudeste, é a que apresenta o maior percentual (43,85%), seguida do Sul (37,7%), Centro-Oeste (35,4%), Norte (30,2%) e Nordeste (29,2%), com a taxa mais baixa.

A pesquisa também revelou que houve aumento no número de jovens universitários no Brasil, com idade entre 18 e 24 anos. Em 1998, quase 7% dos jovens nessa faixa etária estavam matriculados em uma universidade. Em 2008, a taxa subiu para 13,9%.

Fonte: Agência de Informação Frei Tito para a América Latina — ADITAL. Pesquisa revela que quase 50% dos jovens brasileiros vivem na pobreza

    • Sobre o autor(a):

    • Tatiana Félix

      é jornalista da Adital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*